Arquivo mensal: março 2012

Recomendação Especial: Sixteen Candles (Ou… Gatinhas e Gatões)

Capa e Cartaz do filme Gatinhas & Gatões

Filme do meu diretor favorito, John Hughes (O mesmo de Curtindo a Vida Adoidado e Clube dos Cinco), com um nome ridículo na versão nacional (Tô tentando entender qual é a desse nome até agora!), Sixteen Candles é um filme bem divertido, que será recomendado aqui.

Leia o resto deste post

Comentários Semanais: South Park [2/14 – Cash for Gold]

South Park lança seu 3° episódio no site oficial deles amanhã, então eu estou meio atrasado pra comentar o segundo. Bem, vamos lá:

Esse episódio, como de costume, focou em vários subplots. A família de Stan foi visitar seu avô, que está em uma casa de repouso, e ele lhe deu uma jóia que teoricamente, valeria bastante dinheiro. Como ele não a queria, ele tentou a vender e descobriu que aquilo não valia quase nada, e que os programas de vendas de bijuterias da televisão enganavam velhos para lucrar. Então eles tentam descobrir quem começava com aquilo, para poderem culpá-los em paz. Enquanto isso, o Cartman entra no esquema pra tentar vender jóias baratas por altíssimos preços.

Leia o resto deste post

Recomendação da semana: Yotsuba&!

Yotsuba&! (Yotsuba, Yotsubato, tanto faz), é um mangá de Kiyohiko Azuma, autor de Azumanga Daioh, que é publicado desde 2003 na Dengeki Daioh mensal.

Confesso que não sou grande fã da série, e li cerca de vinte e cinco capítulos, mas a acho bem divertida, e uma ótima recomendação. Talvez este mangá seja mesmo overrated, não considero a obra tão boa quanto suas colocações em sites como o MyAnimeList mostram, mas sem duvidas é um bom mangá.

A história é, basicamente, sobre uma garota de cinco ou seis anos, Yotsuba, que junto ao seu pai se muda pra outra cidade. Além desses dois, outros personagens têm importância na série, como Jumbo, o “grande” amigo do pai de Yotsuba, e as vizinhas da pequena garota, da família Ayase.

Realmente não tenho muito a falar da história, afinal, Yotsuba&! é um típico slice of life, e nos mostra, de maneira episódica, as aventuras da garota nesse enorme e desconhecido mundo. Ah, como é bom ser criança.

A visão inocente de Yotsuba quanto ao mundo é um fator a se destacar no mangá, que também tem ótimos momentos de comédia envolvendo outras personagens. A protagonista é extremamente carismática e envolvente, e o resto do elenco também não faz feio.

Apesar de a série contar a história de modo episódico, as aventuras vividas por Yotsuba são realmente divertidas e agradáveis. Essa maneira é perfeita para obras que seguem características slice of life.

O traço do autor também combina perfeitamente com a história. Além dos personagens terem um visual agradável, os cenários também são ótimos e nos mostram bem o ambiente onde se passa o mangá.

Yotsuba&! não tem teorias conspiratórias, crimes misteriosos e nem um enredo confuso metido a inteligente. É um mangá simples, e muito divertido. Recomendado pra quem procura uma série mais leve e agradável.

Série Temática do Mangathering #2 – As obras favoritas [4/4 – Luki – Desventuras em Série]

 


“Please read something else.”

Aviso. Esse é um post fanboy. Mesmo. Não espere uma análise técnica, isso é uma exaltação da obra.

Desventuras em Série é uma obra especial pra mim. Nem eu sei direito porque, vou ver se consigo entender melhor escrevendo isso. Mas tenho a impressão que, 2011 (entre outras coisas, claro) vai ser “o ano que eu li Desventuras em Série”.

Leia o resto deste post

Recomendação da Semana: Vitamin, de Suenobu Keiko

Vamos lá, direto ao ponto. Eu não queria gastar esse mangá, mas talvez eu faça uma review mais detalhada depois…

Vitamin é um dos meus mangás shoujos favoritos (Eu devo ter lido menos de cinco, mas quem perguntou?), e é uma prova de que mangás shoujos podem ser mais que um romancezinho água com açúcar com garotas bobinhas. Podem se fazer obras bem densas e sérias.

O mangá conta a história de uma aluna, Sawako, que graças a uma série de acontecimentos, começa a sofrer bullying pela suas colegas de sala, e como ela lida com isso, como ela supera isso.

A obra pode até ser um pouco chocante, as cenas das alunas maltratando a Sawako não são leves ou simples, não é algo agradável de se ler. Consegue te deixar indignado com a situação da protagonista, impressionado com o que ela está passando.

O traço não é dos melhores (na verdade, até me incomoda em algumas passagens), mas ele cumpre seu papel de expor o que acontece no mangá, ou fazer cenas muito bem montadas (gosto muito de uma do final do mangá, por exemplo).

O desenrolar da história é bem plausível, não existe muito drama forçado ou uma facilidade pra passar por cima dessa situação, é tudo bem feito. E o final, apesar de simples, é muito bom. A protagonista é uma grande personagem

Talvez a história seja até um pouco exagerada no nível dos maltratos, mas está longe de ser fora da realidade. Esse “exagero” dá mais impacto ao mangá e sua apresentação desse problema.

É um shoujo diferente do que estamos acostumados. Talvez o tema pudesse ser melhor trabalhado, se a história fosse maior, mas se quer ver algo mais profundo nos mangás para garotas, tente esse. Uma história bem direta e muito boa.

Foi um post mais curto, mas espero que tenha cumprido sua função. LEIAM.

Série temática do Mangathering #2 – As obras favoritas [3/4 – Code Geass – Daisuke]

Code Geass. Duas palavras, nove letras, um anime. Não um anime qualquer, mas meu anime favorito. Não só meu anime favorito, minha obra favorita.

O que é Code Geass? Em teoria é uma enorme franquia que abrange animes, mangás, jogos e tudo o que você pode imaginar. O anime de Code Geass : Hangyaku no Lelouch (Lelouch of the rebelion) é um dos mais bem conceituados dos últimos tempos, sempre sendo premiado e citado em listas de melhores animações. Não à toa.


2010. Japão e Britannia iniciam uma guerra que futuramente seria vencida pela segunda. A Britannia pode vencer graças à suas novas armas, os Knightmare frames. Basicamente, robôs gigantes.

Após perder a guerra, o Japão teve seu nome e direitos tomados, e passou a se chamar Area 11. Seus habitantes foram nomeados elevens. O começo do primeiro episódio nos apresenta a dois garotos, Lelouch e Suzaku.

Estes garotos cresceram. Lelouch aparentemente é apenas um estudante qualquer, mas esconde que ele e sua irmã, Nunnally, são membros renegados da família real da Britannia. Mais especificamente, filhos do imperador Charles. Sua mãe foi morta e sua irmã ficou cega e necessitando de uma cadeira de rodas após um atentado contra a família quando o garoto ainda era pequeno.

Certo dia ocorre um acidente envolvendo terroristas. Lelouch tenta ajudar as pessoas de dentro do caminhão acidentado e acaba se envolvendo em algo mais complexo. Graças a isso o protagonista reencontra seu amigo de infância, Suzaku, que agora é um soldado de Britannia. Ainda mais importante do que isso, uma misteriosa garota, C.C. lhe concebe o poder do Geass. No caso de Lelouch, o Geass lhe permite dar uma ordem a uma pessoa e fazer com que ela a cumpra. Agora o jovem quer se vingar da Britannia e mudar o mundo, utilizando o codinome Zero. Nisso consiste Code Geass: Lelouch of the rebelion.


Este projeto megalomaníaco da Sunrise é um absurdo se tratando de arte (O character design foi feito pelo grupo CLAMP) e animação. A trilha sonora é uma das melhores, se não a melhor, já vistas (ou ouvidas) em animes. Tanto as openings e endings quanto as músicas de fundo são maravilhosas.

Tem quem compare a história com a de Death Note. Particularmente, desgosto disso. São duas séries das quais gosto bastante, mas não acho que sejam tão semelhantes como dizem por aí.

Se tratando de roteiro, a primeira temporada é melhor do que a segunda (R2). Mas eu gosto igualmente de ambas. Code Geass R2 traz mais momentos épicos, cenas maravilhosas que marcam o espectador.


Momentos épicos protagonizados por quem? Ele mesmo. O meu personagem fictício favorito, Lelouch Lamperouge, digo, Lelouch vi Britannia! Alguns personagens de Code Geass realmente se destacam, como a Kallen. Mas ninguém que se compare ao protagonista da série.

No aspecto em que a maioria dos animes atuais pecam, Code Geass dá um show. O final da série é maravilhoso, algo realmente memorável.

Code Geass é um dos mais famosos e bem conceituados animes da década passada, e faz por merecer. Me sinto grato por cada segundo gasto vendo a série. Não à toa é a minha obra favorita. “All hail Lelouch!”.

Comentários Semanais: South Park [1/14 – Reverse Cowgirl]

Então, South Park, a melhor animação adulta da atualidade, voltou recentemente para a sua décima sexta temporada há alguns poucos dias. Como eu deixei transparecer, adoro South Park, e por isso, darei início a uma nova seção, que busca comentar semanalmente/mensalmente/seiláquandomente os novos episódios, capítulos, etc. de uma obra.

E pra começar, durante 7 semanas, comentarei os episódios dessa temporada de South Park. Vai conter spoilers do episódio, obviamente, estejam avisados.

Essa vai ser a primeira temporada que estarei acompanhando, quando comecei a ver a série, a 15º temporada estava em andamento e quando alcancei os atuais, ela já tinha acabado. Bem, sem mais delongas…

O primeiro episódio dessa temporada foi um daqueles episódios de South Park que os criadores resolvem sacanear tudo que conseguirem acertar e de uma forma totalmente exagerada.

Um dos garotos da turma (Clyde) tem sido chamado a atenção pela sua mãe repetidas vezes por… deixar a tampa da privada pra cima, chegando ao ponto da mãe ir até o colégio dele para fazer ele voltar pra casa e abaixar a tampa! (Sim, ela foi ATÉ O COLÉGIO DELE pra fazer ELE VOLTAR E ABAIXAR A TAMPA. Isso mesmo.)

RverseCowgirl00015.png

Mas isso não faz ele parar. E certo dia, a mãe dele, se sentando sem olhar para o vaso sanitário… fica presa na privada. Os bombeiros são chamados para tentar retirá-la de lá, mas isso acaba se tornando impossível, e ela acaba morrendo enquanto eles tentam tirá-la. Você não leu errado.

Após isso, a cidade começa a controlar  e vigiar as pessoas na hora que elas tem que.. fazer suas necessidades. Tudo é rigorosamente controlado, com direito a um cinto de segurança obrigatório (Que me expliquem como impede as pessoas de caírem, porque eu não entendi)E a partir daí, começam vários sub-plots. Kyle e Stan tentam ajudar Clyde indo até a um advogado pra ele processar alguém, no caso… o criador dos vasos sanitários (Detalhe: O pai do Kyle é um advogado….), enquanto Cartman tenta começar uma rebelião, e vemos as reações das pessoas a esse sistema.

Por esse resumo, dá pra ver que esse é um episódio bem bizarro de South Park, e que faz piada com… vamos ver: Advogados, facilidade de processar pessoas, discussão de deixar a tampa do vaso pra cima… só pra começar!

RverseCowgirl00041.png

Como esse cinto funciona?

O episódio parecia que ia ser só um episódio legal, até por estar sendo muito uma conjunção de piadas, sem nenhum grande foco. Mas no ato final do episódio, praticamente tudo que é mencionado no episódio é revisitado, com sacadas geniais dos criadores.

Acho que o principal “defeito” do episódio foi o pouco foco dado aos protagonistas. Nem o secundário que ganharia seu dia nos holofotes teve uma participação tão grande assim…

Mas de qualquer forma, um grande episódio, com algumas coisas que impressionaram (Eles MATARAM um personagem, mesmo. Estou ansioso pra ver como eles vão trabalhar o Clyde depois disso), e que me deixou no aguardo pelos próximos! Parece ser uma boa temporada de South Park que teremos.

 

Se algum dos meus leitores (que leitores) viu o episódio… o que acharam? Comentem!