Arquivo mensal: setembro 2012

Review: Summer Wars

Quando terminei de assistir a esse filme, me senti obrigado a escrever esta review para que vocês, leitores, saibam o que é essa maravilha da animação japonesa; o que é Summer Wars. Este filme é de 2009, e é dirigido por Mamoru Hosoda (Digimon Adventure: Bokura no War Game, Toki wo Kakeru Shoujo).

Algumas pessoas que me conhecem um pouco sabem que eu sou um grande admirador da franquia Digimon. E Mamoru Hosoda, a mente genial por trás de Summer Wars, é também o homem que fez o masterpiece conhecido como Digimon Adventure: Bokura no War Game. E além disso, o cara trouxe diversos elementos desse outro trabalho para o seu tão merecidamente conceituado Summer Wars. Ele não é bobo, não.

Leia o resto deste post

Review: Um dia ideal para os peixes-banana

Durante um tempo pouco maior que um ano, mantive aberto no navegador do meu celular uma página da web onde fora transcrito um conto. Um conto curto, que só era lembrado nas vezes em que eu abria o browser para pesquisar qualquer coisa – e então sempre que lembrava do conto, estava ocupada demais para deter minha atenção nele. E por meses eu dava de cara com aquele título, seguido de vários parágrafos que esperavam anciosamente para serem lidos. “Um dia ideal para os peixes-banana”, eu lia. E logo em seguida pensava: “deixa pra mais tarde”.

Foi assim que a coisa aconteceu por esses 13 meses e meio; até hoje. Hoje, quando olhei pra fora da quadra da minha escola, passou na hora o pensamento “puxa, hoje está um dia ideal para os peixes-banana”. Mesmo sem saber, até então, como diabos se configurava um peixe-banana. Descobri, lendo o conto, que o dia de hoje não é nada um bom dia para um peixe-banana.

Leia o resto deste post

Recomendação da semana: Chuuousen Cinema Paradise

Olá.

Bom, confesso que achei que não conseguiria fazer a recomendação da semana, já que ocorreram alguns imprevistos. Porém, decidi explorar a minha pasta de mangás baixados, e ver se tinha algo curto e interessante para ler e recomendar. Bom, para isso, nada melhor do que uma one-shot, não?

Eu não gosto muito de recomendar one-shots por não poder falar muito delas, ou traçar análises mais detalhadas, mas a verdade é que elas sempre são ótimas opções para a recomendação, pois geram textos menos detalhados que apenas direcionam o leitor até a obra em questão, para que o próprio tire suas conclusões. Chuuousen Cinema Paradise é uma one-shot de Akiko Higashimura (de Kuragehime), e foi publicado na Jump SQ em 2007.

O mangá começa mostrando uma garota roubando um cartaz de um famoso ator na rua, enquanto é observada por um rapaz. Este rapaz, Kaoru, é o foco do mangá; à medida que a one-shot se desenrola, somos apresentados a toda a história dele, desde o começo de sua carreira como ator, quando era apontado como prodígio, até a sua situação atual. Mais à frente, Kaoru se encontra com a tal garota, gerando um desenrolar interessante para a conclusão da história.

Creio que é bem perceptível a minha dificuldade em formular uma sinopse decente e sem muitos spoilers para a obra, mas eu acredito que as linhas por mim escritas para definir a história dela tenham sido úteis, visto que isto é apenas uma breve recomendação para a sua lista de leitura, e, infelizmente, não uma análise detalhada que traça os perfis psicológicos completos das personagens e encontra o sentido da vida dentro da própria obra.

A história de Kaoru nos cinco anos que se passaram é apresentada por um método narrativo interessante que consiste em flashbacks, e é bem construída para as quase cinquenta páginas que a autora teve a seu dispor. Mesmo numa curta one-shot, a autora conseguiu aprofundar competentemente o seu protagonista.

A arte da tal Akiko Higashimura é bem diferente, e característica; muito bonita e competente. Destaque para o character design. E bom, a autora utilizou um estilo de enquadramento que pelo menos a mim, parece um pouco diferente do habitual. Nada que comprometa, para falar a verdade, esse “estilo” é até bem interessante.

Obviamente, eu não tenho como ser tão crítico com one-shots, já que os autores têm que desenvolver suas histórias em menos de cinquenta páginas, na maioria dos casos. E Chuuousen Cinema Paradise é uma leitura descontraída e rápida.

#CorrenteDeReviews: [C] – The Money of Soul and Possibility Control

[C] – The Money of Soul and Possibility Control, ou simplesmente [C], é um anime de 2011, dirigido por Kenji Nakamura e exibido no famoso bloco noitaminA, que já exibiu obras bastante renomadas como Honey & Clover e Shiki.

Leia o resto deste post

O futuro do Mangathering e o centésimo post

Olá, queridos leitores!

Depois do post da Alexandra sobre O Operário, pensei que seria bom escrever um pequeno texto sobre os rumos do Mangathering e coisas do tipo. Talvez saia algo aos moldes deste post recente do Elfen Lied Brasil, porém com algumas diferenças. Estou cogitando a ideia de fazer esse tipo de post de vez em quando, para deixar o leitor antenado nos bastidores do blog. Coincidentemente, este é, também, o centésimo post do Mangathering. Leia o resto deste post

Review: Basilisk

Quando você, estimado leitor, achou que eu havia sumido, eu apareço aqui com um novo texto para provar que sou um menino mudado. E não é uma recomendação fuleira de três parágrafos: é uma review sobre um anime sensacional, com lá seus já manjados artifícios de um anime de ação, mas que consegue mesmo dentro de todos esses clichês ser extremamente criativo e bem desenvolvido. E o anime em questão é Basilisk Kouga Ninpouchou, do famoso estúdio GONZO, sob direção de Fumitomo Kisaki.

Leia o resto deste post

Recomendação da Semana: Assassination Classroom

Aquele mangá diferente que todos estavam pedindo na Jump.

Yuusei Matsui é um mangaka que ganhou uma certa fama pelo seu Majin Tantei Nougami Neuro, mangá publicado na Shonen Jump que durou 23 volumes, e por esse mangá ter sido algo fora do “padrão Jump”. Original, um pouco sombria e sem muito daquele clima mais alegre presente em grande parte da linha de mangás da Shonen Jump atual, foi uma série muito elogiada pelos que leram.

E em 2012, o autor voltou a revista, com uma nova obra que promete ser tão boa e criativa quanto seu trabalho anterior. Essa obra é Assassination Classroom.

A história parte de uma premissa no mínimo curiosa e no máximo extremamente absurda: Um ser alienígena, que pode se mover à velocidade de Mach-20 (para efeito de comparação, Mach-1 é a velocidade mínima para um corpo ultrapassar a velocidade do som) semelhante a um polvo apareceu, e anunciou que vai destruir a Terra no prazo de um ano. Como prova de seu poder, ele destruiu grande parte da lua, a deixando eternamente com um formato de lua crescente. Após isso, num acordo com o governo, ele passou a dar aulas para a classe 3-E do colégio Kunugigaoka (A pior classe, a dos rejeitados, dos lixos, etc), tentando ensiná-los a serem assassinos para que assim, ele possam matar o seu professor… e salvar a Terra.

Sim, é estranho, sim, é muito estranho, mas também é muito interessante. Mas claro que haverá alguma explicação do porque desse acordo, que nos parece tão absurdo.

A série só tem 9 capítulos traduzidos enquanto eu escrevo esse post, e o começo ainda não desenvolveu tanto o enredo, mas vem o construindo bem. Vários personagens vem sido apresentados e começando a ser desenvolvidos, enquanto vamos nos acostumando ao clima da série, que é bem divertido. Os capítulos passam bem rápido, é agradável ler.

Sem contar que claro, ela lhe deixa curioso pra saber o que vai acontecer. Foram jogadas algumas pistas de possíveis futuros rumos pra história, que está se mantendo bem interessante.

O “professor” é, também, um ótimo personagem. A começar pelo design, simplíssimo porém bem legal. Mas as atitudes dele, o jeito dele, as interações com os alunos… é tudo bem divertido.

Bem, por enquanto, “divertido” é a palavra certa. Capítulos agradáveis, interessantes, criativos, e um enredo que está prometendo evoluir, Assassination Classroom é a melhor estreia da Jump em muito tempo. E que tem se saído MUITO bem nos rankings de popularidade, pegando uma surpreendente segunda colocação em seu primeiro ranking. Totalmente merecida. (Mentira, merecia terceiro, com Sket em segundo)