Arquivos do Blog

Recomendação da semana: Bungaku Shoujo to Shi ni Tagari no Douke

Gostaria de pedir a Raul Seixas a permissão para utilizar sua célebre expressão “metamorfose ambulante” em função deste texto. É isso que Bungaku Shoujo to Shi ni Tagari no Douke é; uma metamorfose ambulante.

Este mangá, serializado na Gangan Joker, é baseado na light novel Bungaku Shoujo, que chegou inclusive a ganhar uma versão animada em filme, e tem vinte e três capítulos (Três volumes). Pelo que eu pesquisei, existem inclusive outros animes e mangás baseados na novel, contando outras histórias da obra original, creio eu. Leia o resto deste post

Anúncios

Recomendação da semana: Apple

Olá, leitores. Como avisado no twitter do Mangathering, a “Recomendação da semana” não será mais postada às quartas-feiras, mas sim às quintas. Quarta-feira é, provavelmente, o dia mais “puxado” para nós, do Mangathering, por isso havia uma pequena dificuldade com o prazo, embora na maioria das vezes os textos tenham sido postados pontualmente.

Eu sempre tenho muitas dúvidas de que obra recomendar. Neste caso, não foi diferente. Para falar a verdade, eu sempre penso se devo recomendar algo que já li/assisti há algum tempo, ou se devo ler/assistir algo inédito (pelo menos para mim) especialmente para esta recomendação. Desta vez eu optei por ler um mangá apenas para recomendar, caso gostasse, obviamente. Após fazer isso, conclui que a obra lida não teria um texto que fosse, pelo menos, satisfatório, por ter uma história confusa, embora interessante. Então decidi ler uma one-shot. Eu costumo recomendar one-shots e séries curtas, pois são de fácil acesso e leitura.

Leia o resto deste post

Recomendação da semana: Detroit Metal City

Assassinato, isso é assassinato! Lave suas memórias no sangue fresco!

Não, estimadíssimo leitor do Mangathering, isso não é mais um texto do Daisuke sobre filmes de terror. Muito pelo contrário. É sobre um dos animes mais divertidos, leves e descontraídos já criados: Detroit Metal City ou simplesmente DMC.

O anime é uma OVA (versão especial, curta, normalmente lançada em DVD, blu-ray ou outras coisas do tipo) do mangá de Kiminori Wakasugi. Tem apenas 12 episódios de curta duração, 14 minutos por episódio, é extremamente rápido de se assistir e ótimo para se livrar das tensões de um dia (ou até semana) difícil. Consegue ser mais engraçado do que os programas crentes, com seus pastores de intenções e atitudes suspeitas e seus ingênuos pagantes, quero dizer, fiéis. Concorrência acirrada.

Leia o resto deste post

Série Temática do Mangathering #4 – Mangás de Horror – [3/4 – Luki – Doll Star]

Eu também sei ser underground, viu?

Doll Star é um mangá de 2 volumes publicado em 2008 publicado na revista Magazine Z, que é a casa dos mangás… … …, enfim, é uma revista de mangás seinen. A obra foi escrita por Satomi Ran e desenhada por Maki Ebishi, que também não fizeram nada de muito importante. A história do mangá é a seguinte:

Leia o resto deste post

Recomendação da Semana: Double Arts

Double Arts é um mangá de autoria de Naoshi Komi, que atualmente é responsável por Nisekoi, publicado na Shonen Jump. Foi publicado durante o ano de 2008 na Shonen Jump.

Leia o resto deste post

Review: Bakuman

Acabou. Finalmente, acabou. Lá se vai um dos meus mangás favoritos. 176 capítulos que flecharam o meu coração.

Pois é, finalmente Bakuman, da dupla Ohba e Obata (de Death Note), que era publicado na Shonen Jump desde 2008, chegou ao seu fim. Antes da review, já adianto: Sou extremamente fanboy desta série que me acompanhou por quase toda a minha “vida otaku”. Leia o resto deste post

Recomendação da semana: Alice

Alice é uma one-shot que foi publicada na Young Champion, e é de autoria de uma dupla de coreanos (Argh). Esta é a recomendação da semana.

Este manhwa conta a história de um médico, Dr. Arlem Heights, que está tratando de uma paciente num estado semelhante ao de coma, e que sofre de uma doença que está sendo pesquisada. Tal doença é chamada de Alice. A essa paciente ainda é ordenada a eutanásia.

Se não me engano, são apenas 28 páginas. A one-shot tem uma quantidade razoável de texto, e permite que a história seja satisfatória. Claro, por ser extremamente pequena, não espere um desenvolvimento de personagens excepcional ou algo do tipo.

Muitos podem achar o desenvolvimento da história (Ou a falta dele, dependendo do ponto de vista) estranho. A doença, Alice, se mostra algo realmente bizarro, e surpreendente. Nunca imaginei que, de certa forma, a one-shot mostraria como a mente humana é afetada por ela. (Na verdade não é bem uma explicação, mas é algo do tipo)

No geral, a arte é ótima e passa bem o clima da história. Esta one-shot me lembrou um pouco Present, one-shot do também coreano Boichi, embora esta “apele” mais para o drama do que Alice. De qualquer maneira, também recomendo Present.

Alice é um bom manhwa. Não é um masterpiece ou algo do tipo, mas é uma boa distração, e bem interessante. Recomendo.