Arquivos do Blog

Razões de uma obra decair com o tempo

Esse é um post que eu quero fazer há muito tempo (vamos ver quanto tempo depois de eu estar escrevendo isso o post será lançado), e que é uma coisa “nova” aqui, que é falar de mangás (ou outras mídias) de um modo mais geral, basicamente. Para começar, (como o título já diz) vou falar de obras de ficção que começaram bem, mas de repente, por algum motivo pioraram.

É bem triste quando começamos a acompanhar alguma coisa, ficamos empolgados com ela, e de repente ela decai. Bastante. Mas quais seriam as razões pra isso? Eu não tenho uma resposta exata, esse post é uma divagação, uma tentativa de encontrar alguns motivos.

A nossa querida revista Shonen Jump (A revista que publica os mangás mais conhecidos aqui no ocidente, como Bleach, Naruto, One Piece, e alguns que serão citados aqui) é responsável, de duas formas opostas, para a queda de um mangá. A revista é muito concorrida, e portanto, das várias obras que estreiam lá, muitas são canceladas com poucos capítulos, ou sem a história estar nem perto de ser concluída. (Entenda mais sobre o funcionamento da Jump AQUI e AQUI)

Obviamente, isso faz a história piorar, ainda mais em casos de mangás que duraram mais tempo, como Psyren, que parece ter tido um final apressado, para poder concluir a história mais ou menos satisfatoriamente. Mas mesmo conseguindo, a última parte da série é bem fraca em comparação ao resto.

Algo parecido costuma acontecer em animes. Muitas adaptações de mangás não tem espaço pra cobrir o mangá inteiro, então tem que inventar um final alternativo, que frequentemente não mantém o nível e é criticado. É o caso do anime de Claymore.

Mas a Jump também é conhecida por fazer o contrário. Se um mangá está fazendo muito sucesso lá, é muito provável que eles vão estender a história até não dar mais. Não dá pra saber exatamente quando é o autor que não quer se livrar da sua série que está lhe dando sustento ou quando é a revista que não deixa ele se livrar, mas a revista tem uma grande cota de mangás que duraram mais do que deveriam, e tiveram partes ruins que fizer. Dragon Ball é um caso famoso, a série foi bastante alongada, e vários não gostam muito da última saga (Não estou entre eles, mas isso não muda o fato). Eyeshield 21 é outro mangá que durou mais do que deveria, e acabou tendo a qualidade da história no geral levada para baixo por uma última saga ruim.

A revista mesmo tem exemplos disso hoje em dia, como Bakuman (e o caso de Bakuman foi bem tosco). A história de Bakuman estava rumando(ou parecendo rumar) em direção a um final, e de repente, eles inventam um jeito de alongar a série… no último ano, pouquissimos arcos e capítulos se salvaram em Bakuman. Triste pra um mangá que já foi um de meus favoritos…

Esse problema de uma obra se estender além do que devia tem seu espelho no mercado de séries americanas, de uma forma até pior que a da Jump. É uma regra quase sem exceções que uma série muito popular vai durar além do que devia, seja por já ter se esgotado (Poderia continuar, mas o autor não consegue mais manter o nível com ela, então seria melhor encerrar), como Two and a Half Men e House, ou ainda pior, porque ela DEVERIA ter terminado, a história já tinha sido concluída, mas preferiram prosseguir, como em Supernatural.

Claro que existem motivos mais simples. Uma série piorou porque o autor perdeu a mão. Simples assim. E somado a necessidade de continuar a série que existe na Jump, o problema é duplicado. Reborn! era uma série legal, um mangá divertido, até que veio o famigerado arco do futuro, criticado por grande parte dos leitores, e que ainda por cima, foi gigante. A série então, continuou com OUTRO arco péssimo, pior até que o anterior, e a verdade é que a série já deveria ter acabado. A saga atual está até divertida, e é a melhor chance pra acabar a série de vez. Seria mais honrado.

Segundo o que dizem (Não posso confirmar), é esse o caso de Bleach, que também teve uma saga elogiadíssima, e depois… foi ladeira abaixo, e enrolando bastante, e muitos afirmam que a série já deveria ter acabado.

Um outro caso (Não estava pensando nele quando comecei o post, me veio a mente agora), mais subjetivo (tudo aqui é subjetivo, uma obra pode ter continuado boa pra você, mas não pra mim) é quando um mangá causa uma primeira impressão muito boa, ou tem um momento muito bom e depois… não continua assim. Nenhuma razão em especial, mas aquele momento em especial pode ter feito as pessoas esperarem mais do mangá. Um possivel exemplo seria Area no Kishi, mangá que tem um grande acontecimento no volume 2, que é feito de forma fantástica, e depois o mangá passa a ser simplesmente um bom mangá de esportes. Como só 10 volumes foram traduzidos, a série pode ter um novo aumento na sua qualidade, mas por enquanto…

Air Gear tem um começo muito bom (Na minha opinião, claro, mas isso não é óbvio?), que faz parecer que a série seria algo muito mais incrível do que é, que termina sendo só… legal.

E pra não falarem que só falei de shonens, Kamen Teacher é um mangá que começou bem legal, mas depois piorou, porque acho que o autor tomou a decisão errada em como continuar o enredo. Ou isso ou eu que esperava algo diferente da série… Gantz é outro mangá que (parece) estar na fase final, e que eu, sinceramente, não estou gostando agora…

E então? Que mangás eu deveria ter citado, que mangás eu NÃO deveria ter citado, que motivos eu não mencionei? Comentem!

Anúncios

Primeiras Impressões: Area no Kishi

Olá, aqui estou eu (L./Luki) com as primeiras impressões de um anime dessa nova temporada, o único que eu estava certo de que ia ver. Area no Kishi é um mangá publicado na Shonen Magazine desde 2006, que ganhou uma adaptação em anime pelo estúdio Shin-ei Animation agora em janeiro. É um mangá que gosto, e eu queria conferir se a adaptação em anime ia fazer jus ao original.

Area no Kishi começa mostrando um jogo do Japão sub-15 x Brasil sub-15. A estrela do Japão é Aizawa Suguru, e seu irmão mais novo, Aizawa Kakeru, era um dos espectadores. Todas as esperanças do futebol japonês estão depositadas em Suguru, e ele justifica isso conseguindo fazer o Japão empatar com o todo-poderoso Brasil. A história é contada no ponto de vista de Kakeru. Logo após, vemos o dia a dia no clube de futebol da escola dos irmãos, onde Suguru obviamente é o ídolo, e Kakeru, por escolha própria, é um reles ajudante.

Após um pouco da rotina do clube, e apresentação de alguns outros personagens, uma garota aparece lá e vai falar com Kakeru. De início ele não se lembra dela, mas ela se apresenta como Seven, e era uma amiga de infância dele. Não vou descrever o episódio inteiro, mas é deste ponto que a série parte. Suguru sabe da qualidade de Kakeru e não entende porque ele não quer jogar e se contenta em ser um ajudante. Os motivos de Kakeru vão ser revelados logo no anime.

O ritmo do episódio foi bem satisfatório. Nenhuma cena ficou enrolada demais, e em só uma parte eu achei que ficou muito resumida, e deveria ser melhor mostrada (A do Kakeru treinando). Pouco mais de um capítulo foi coberto nesse episódio. Isso pode parecer pouco, mas o primeiro capítulo tem 90 páginas. Pode não ter acontecido muita coisa na história ainda, mas o anime não ficou maçante em nenhum momento, e isso é um grande ponto positivo.

A única coisa que realmente chegou a me incomodar na direção foi o excesso de gags visuais, mas isso é pessoal, e pode agradar vocês. A história do anime ainda não é muito aprofundada nesse episódio, mas há algumas pistas para os momentos mais sérios que o anime terá logo a seguir. Uma cena  acrescentada foi uma boa escolha, e ela será importante mais tarde. O diretor, Ogura Hirofumi, que tem animes como Gintama e Kekkaishi no currículo, mostrou um bom trabalho, à primeira vista. Mas o momento definitivo pra avaliar a qualidade do anime ainda não chegou.

Os personagens também não foram muito aprofundados nesse episódio, mas já temos o básico de cada um deles, com demostrações de como eles são e da relação entre eles. O anime conseguiu passar a mesma sensação que o mangá, e apesar de algumas coisas terem faltado, foi um bom episódio.

Quanto à parte técnica, a arte ficou boa no geral, idem para a animação. As cenas de futebol ficaram bem feitas, nada demais, mas boa o suficiente. O que me incomodou foi o design do Kakeru e da Seven, que são as personagens principais, o que acaba agravando o problema. Mas nesse caso, é simplesmente uma questão de eu já ter lido o mangá. O Kakeru tem um cara menos “infantil” nele. A dublagem conseguiu passar bem a personalidade dos personagens, com exceção, de novo, do Kakeru. Eu espero que isso melhore um pouco mais pra frente, mas não é nada que vá comprometer o anime.

Há pouco a dizer do anime ainda, o começo é meramente introdutório. Mas já mostrou que tem potencial para fazer um trabalho como o do mangá. Se você gosta de animes de esportes, vale a pena.

Temporada de Animes Janeiro 2012: Análise pré-estreias

Em janeiro, como sempre, temos uma nova temporada de animes chegando. Eu não acompanho uma temporada de animes desde março, e não termino um anime de uma desde Outubro, mas curiosamente, o blog me motivou a escrever sobre uma, e isso coincidiu com uma volta a motivação pra pegar um anime e assistir. Então, nesse post irei falar as impressões iniciais que a lista de animes me deu.

(clique na imagem e depois, aumente para vê-la com o tamanho original)

Antes de tudo, eu não tenho um conhecimento muito grande quanto a estúdios, orçamentos, seiyuus ou diretores, para fazer uma previsão mais acurada de um anime. As opiniões geralmente não envolverão esses fatores.

Segundo essa lista, teremos vinte e quatro animes novos sendo lançados pra TV durante o mês de janeiro. (Sim, tem 28 animes na lista, mas 3 já estrearam e um estreia em fevereiro. Como nenhum me interessa, preferi não comentá-los) A primeira coisa notada por mim foi que há um número de continuações bastante alto. Dessas 24, são sete, mais um re-run de Nichijou e a versão para TV de Black Rock Shooter. Ou seja, teremos 15 animes que são algo de novo em animação. Desses quinze, três são baseados em um mangá 4-koma (de tirinhas em quatro quadros),  4 são baseados em mangás “normais” , um é baseado em um web-mangá, três são baseados em Light Novels (Livros com uma linguagem fácil, geralmente ilustrados com imagens estilo mangá), um é baseado em um livro e três são produções originais.

Quanto as continuações, algumas são provavelmente bem esperadas, como a continuação do aclamado Bakemonogatari, o novo anime do famoso Prince of Tennis e a quarta temporada de Natsume Yuujinchou, que já é um anime bem reconhecido. Outras devem ter agradado um bom numero de pessoas também, como a quarta temporada de Zero no Tsukaima, e a continuação de Amagami SS (Anime que eu, particularmente, não gostei). Dessas, eu vou assistir somente e talvez, Zero no Tsukaima, que eu vi há dois anos e meio…

Das outras obras, poucas me interessaram. Farei alguns pequenos comentários sobre as séries que pretendo ver, em ordem de prioridade.

Area no Kishi

O mangá mais “mainstream” virando anime, Area no Kishi, da Shonen Magazine é um mangá que gosto bastante. Porém, as imagens disponíveis do anime foram…. decepcionantes. O estúdio também não me parece muito bom, mas quem sabe o anime não surpreenda. Esse eu vou conferir obrigatoriamente, mesmo que sem altas expectativas. Mas puramente pela história, ele é muito bom.

Another

Achei a premissa da série bem interessante, e a arte da série parece bem feita. O estúdio é o mesmo que fez Angel Beats, e isso não é ruim. A história é baseada em um livro (Que deu origem a um mangá publicado na Young Ace) feito pelo marido da autora de Shiki (O livro), que deu origem a um de meus animes favoritos. Isso é bem curioso e me deu vontade de ler o mangá/assistir o anime. Não estou 100% certo de que vou conferir, mas me parece um bom anime. Acho que é o único que foi um pouco hypado pelo fandom, veremos se com razão.

Danshi Koukousei no Nichijou

Um anime slice of life da Sunrise por si só já é algo curioso. As informações dadas fazem parecer que é uma boa comédia, e tem como diretor o diretor de Gintama! Há boas chances de sair algo bom. Essa é a última série com chances altas de eu ver.

Ano Natsu no Matteru

AnoHana (Não, não escreverei o nome inteiro aqui) foi um anime que fez bastante sucesso no fandom, e que eu gostei, mas ainda não terminei. Essa obra é do mesmo diretor, e isso já é algo que me interessou. A arte pareceu bonita também. Não sei se vou ver, depende do meu humor, mas tem chances de ser um bom anime.

Brave 10

É o anime de porrada da temporada. Não tenho muito interesse, mas talvez eu veja por curiosidade.

Mouretsu Pirates

Eu não espero nada dessa série, mas não duvido que ela possa ser um anime bem divertido. É difícil que eu veja, mas se os comentários forem positivos…

Essas são as 6 séries que tem alguma chance de serem assistidas por mim, sendo que provavelmente só duas ou três serão de fato. Não há muitas obras que despertam expectativas, e os animes originais, que normalmente são o que eu mais procuro, não me agradaram a primeira vista. Veremos como ela vai se desenrolar.