Arquivos do Blog

#Mangathering2Anos Review/Primeiras Impressões: Spirit Circle

spiritcircleO melhor mangá lançado em 2012 que eu li. Não que tenham sido muitos.

Leia o resto deste post

Recomendação da semana: Fuan no Tane

fuan

Olá, queridos leitores, Schin aqui. Hoje irei recomendar um mangá de terror um pouco diferente – Fuan no Tane (Seeds of Anxiety), de Masaaki Nakayama.

Leia o resto deste post

Recomendação da semana: Over Bleed

Primeiramente, peço desculpas pela falta de recomendações semanais ultimamente; nós estamos em trimestre –porque chamar de “semana de provas” é bondade demais quando a mesma se estende por quase um mês- de provas. Mas a seção volta com chave-de-ouro, com o redator favorito docês, eu, euzinho, eu mesmo…!

overbleed

E, para isso, nada melhor do que trazer um bom mangá, né? Cá estou eu com Over Bleed (ou Gekiryuuchi), publicado na Young Gangan (Ubel Blatt, Arakawa Under the Bridge, Ibitsu (<3)) e de autoria duma dupla de coreanos (argh) muito sapeca.

Leia o resto deste post

Review: The Music of Marie

Ah, são tantas coisas… por onde começar? Bom, começarei dizendo que o mangá comentado neste post é o meu novo mangá favorito, e provavelmente o melhor que eu já li. Este é The Music of Marie, de Usamaru Furuya (Litchi Hikari Club, Jisatsu Circle), publicado em 2000 na Comic Birz. Seja bem-vindo a um mundo encantador, do qual a sua mente jamais sairá.

Leia o resto deste post

Recomendação da semana: Melodia Infernal

Eu voltei, pessoal. E como os pokémons daquele adversário chato que aparecia de tempos em tempos no jogo, mais forte e experiente. Hoje para publicar a recomendação da semana: Melodia Infernal (Mélodie d’enfer),  de Lu Ming, um manhua (HQ chinesa) de dois volumes (doze capítulos), que foi lançada por aqui pela Conrad (belas edições, por sinal).

O manhua tem um enredo no mínimo inusitado: uma banda de heavy metal composta por almas suicidas está a procura de um novo guitarrista solo. Ainda vivo.

Na Pradaria do Paraíso, lugar para onde são encaminhados os espíritos de pessoas que cometeram suicídio, uma banda de heavy metal, Third Man, composta por suicidas, é claro, faz bastante barulho na tentativa de aperfeiçoar mais e mais suas técnicas musicais. Porém, com a saída de seu guitarrista solo, a banda se vê extremamente desfalcada e precisa arranjar uma solução imediatamente. E é então que, por intermédio de uma feiticeira (Maya), eles chegam a um nome: Chen Xiangheng, um talentosíssimo guitarrista que deixa os membros da banda embasbacados com toda sua habilidade e virtuosismo. No entanto, nada na vida vem tão fácil… Nem nada vida, nem na morte. Zhang Xiao (guitarrista base), Yanan (baixista) e Hei (baterista) descobrem que, para contar com os sweep pickings e alavancadas do Steve Vai chinês (por algum motivo o personagem me lembrou o Steve Vai), eles terão de trazê-lo de algum modo ao mundo dos suicidas. E é nisso que a história se desenrola e se baseia.

O traço do mangá é bastante realista, ao meu ver. Algumas vezes fica confuso, mas em alguns momentos chega a um grau dele beleza e detalhismo que beira a perfeição! Instrumentos maravilhosos e forma magistral de representar os músicos em ação, algumas cenas poderiam ser até ser emolduradas e postas na parede do meu quarto. Além do traço, algo a ser destacado são os posfácios escritos pelo quadrinista e guitarrista Marcatti nas duas edições, cheios de textos informativos sobre guitarras e ilustres guitarristas, uma grande aula de história da, considerada por muitos, mais nobre das artes.

Agora, fugindo um pouco do enredo em si e de observações físicas da obra, vamos a uma análise do desenvolvimento da história. Então, conversando rapidamente sobre com o outro membro do blog que leu o manhua, Daisuke, e lendo alguns comentários rápidos por aí, percebo que a história gera opiniões controvérsias. Talvez a grande falha esteja na busca feita de forma extremamente inescrupulosa e, por vezes, infantil por parte de determinado personagem. Por esse texto não ser uma review, prefiro não entrar em grandes detalhes, mas eu não vejo como defender a forma como essa procura é executada. Claro, talvez o autor estivesse querendo nos mostrar o quão longe pode ir o ser humano por seus objetivos, passando por cima de princípios (como chega inclusive a ser citado em dado momento) e atropelando o que mais estiver o impedindo de chegar ao tão sonhado alvo.

Apesar dos pesares, o manhua consegue ser até muito bem finalizado. O autor consegue realmente parar na hora certa, quando todas as ideias, mensagens e lições já parecem ter sido transmitidas, além de todos os personagens já haverem tido seu “final” devidamente apresentado. E é com imensa felicidade que finalizo esse texto, pois o que era para ser mais uma distração em meio a um infinitamente empolgante dia de aula, acabou se tornando uma leitura extremamente agradável, que posso recomendar a qualquer amante de música (como eu), ou simplesmente de uma história fora do comum, sem medo de errar.

Recomendação da Semana: Allumage

Bem,  aqui está.

Essa semana, a recomendação da semana será de um one-shot, porque eu estava com preguiça acho uma boa opção, por ser mais fácil das pessoas lerem, que no caso é o mangá Allumage, criado pelo conhecido Lynn Okamoto (Criador de Elfen Lied e de Gokukoku no Brynhildr).

Leia o resto deste post

Review: Dorohedoro

Olá, queridos leitores! Aqui é o Schin (sim, estou vivo) e hoje vou falar sobre um mangá, ainda em andamento, escrito por Q Hayashida: Dorohedoro.

Dorohedoro - ch 1 Page 1 | Batoto!

Tudo começou no Skype. Um dia normal: conversas rolando, piadas saindo, nosso Daisuke falando do mangá que começou a ler.. quando vejo a seguinte mensagem: “Esse mangá tem a cara do Schin, não sei porquê. AEHUAEH XD”. Não tinha o que fazer na hora, então por que não?
Heh, mal sabia o que estava me esperando.

Leia o resto deste post